sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Eu chateio, tu chateias, ele chateia


[Posso ser chata? Posso, posso? Ok. Então vou chatear. Obrigada.]

Eu adoro a blogosfera. Gosto andar a saltar de blogue em blogue como uma pulga (mil obrigada blogueiras que têm uma listinha de blogues recomendados para eu ler!). Gosto de acompanhar as peripécias alheias e de aprender com elas. O meu coração anda mais rápido quando vejo que algum dos meus blogues preferidos foi actualizado. E embora tenha fases de detox, em que preciso de afastar-me de toda a comoção, em geral eu gosto cada vez mais de manter um blogue e de ler blogues. 

Fonte aqui

Acontece que, com tanta leitura, deparo-me inevitavelmente com coisas que me chateiam. Como aquelas blogueiras que não respondem a comentários até que... alguém faz um comentário negativo. Es así de simple! É como se dessem mais valor aos comentários negativos e às críticas do que aos comentários de apoio. 

E isso é coisa que aqui a je não entende. Não peçam para entender.

É claro que estas situações tendem a acontecer em blogues "maiores", com imensos seguidores e comentários. Eu compreendo - a sério que sim! - que responder a dezenas de comentários demora tempo. Mas, a sério, o que se diz de alguém que apenas se dá ao trabalho de responder a críticas? Por que não dar valor aos visitantes e seguidores que realmente dão vida ao blogue, em vez de se perder tempo com gente que apenas quer criar problemas?  Como leitora, isso faz-me sentir que a minha atenção e o meu apoio não vão ser apreciados, e por isso fecho simplesmente a página em questão e vou à procura de um novo cantinho de leitura. Adeus!

Alguém aqui já reparou nesta tendência? Agora dá licença que vou chatear para outro sítio. God natt!

Não quero com isto mandar indirectas. Posso garantir que não sigo nem sou seguida por nenhuma das blogueiras em questão. Queria apenas desabafar.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Vida antes do Skype


Como era a vida antes do Skype? Não, não preciso que me contem (eu lembro-me), eu sei que ela era assim:








Uma coisa sem luz, sem cor, sem sabor e sem cheiro.

Às vezes bastam 14 minutos de convívio para iluminar o coração de uma tia saudosa durante toooodo o dia.


Fontes das imagens aqui, aqui e aqui.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

O que eu ando a fazer


Aos 15 anos eu levantei um embargo aos produtos da Dove lá em casa. Eu e a minha mãe andávamos com uma paixonite aguda por um gel-de-banho exfoliante da marca e a hora do banho nunca tinha sido tão cheirosa, mas eis que num fatídico dia eu fiquei a saber que a Dove testava os seus produtos em animais e proibí a sua compra na nossa ida semanal ao hipermercado. A minha mãe, com a sua infinita paciência e sensibilidade, aderiu e passou a comprar outras marcas (obrigada mãe!). Despedimo-nos chorosamente do nosso querido gel-de-banho e começámos a usar outros que provavelmente também teriam sido testados em animais sem eu saber.

Ainda hoje a questão dos testes em animais me faz imensa confusão, assim como o uso de substâncias potencialmente cancerígenas e toda essa história ao redor dos produtos de higiene e cosméticos. Ao mesmo tempo, nem sempre é fácil optar por produtos naturais e amigos dos animais (rimou!), especialmente quando se olha à relação preço/quantidade em comparação com os produtos normais de supermercado. E quando se ama de paixão um produto, mesmo desconfiando do seu potencial radioactivo à moda Chernobyl, o que é que se faz? 

A verdade é que não é fácil ser-se um cidadão consciente hoje em dia, o que se aplica não só aos produtos que usamos mas também à alimentação, ao vestuário (como comentei aqui), ao nosso consumo de energia... a lista não acaba. 

Não desisti de melhorar algumas coisas, não. O bichinho dos cosméticos continua forte. E, inspirada por uns blogues suecos que fiquei a conhecer recentemente, desafiei-me a mim mesma a substituir gradualmente os produtos que tenho na casa-de-banho (BR: banheiro) por produtos a) naturais; b) não testados em animais; c) ambos. Todos nós precisamos de um passatempo, certo?

Estou entusiasmada com este projecto, e já consegui encontrar excelentes substitutos para os produtos normais. Até agora, estes são os meus preferidos, da Weleda e da Body Shop. E até maquilhagem comprei, da Une (disponível no Åhléns). 


E vocês, costumam pensar duas vezes antes de comprar os vossos produtos? Costumam optar por produtos mais naturais? Contem-me tudo e digam-me que não sou a única, vá.

P.S.: O creme de mãos da esquerda está, pouco a pouco, a transformar-se no melhor amigo das minhas mãos. 


P.S.2: Quem quer ficar a conhecer mais produtos naturais e praticar o sueco ao mesmo tempo? Visitem este e este blogue!

domingo, 18 de novembro de 2012

O melhor da Suécia #3 - Pagar com cartão


O frio, a escuridão e todas essas maravilhas estão a chegar. Às 15:30 começa a ficar escuro. Os níveis de vitamina D começam a decrescer. O pessoal começa a sonhar com viagens de sol e praia. Pensamentos como "alguém me relembre o que estou a fazer aqui" começam a fazer aparições cada vez mais frequentes. É difícil acordar de manhã... e fácil ir para a cama às 20:00. Mas para grandes males há grandes remédios e é por isso que está na altura de... falar daquilo que é positivo! Yé! 

Em terceiro lugar no top "O melhor da Suécia" está a possibilidade de pagar com cartão de crédito em todo o lado. Independentemente da quantia. Já cheguei a pagar gomas a 8 coroas (0,90€) com cartão de crédito. É maravilhoso ou não? Não só é conveniente para os clientes como mais seguro para os trabalhadores das lojas, que têm menos quantias de dinheiro nas caixas.

Maravilhas da modernidade. Fonte aqui.

No início eu andava feita dinossaura, com a carteira cheia de notas e moedas, mas finalmente vi a luz! E vocês, que coisas mais apreciam na Suécia ou nos lugares e países onde vivem?


segunda-feira, 12 de novembro de 2012

3 coroas Suecas


A sério, H & M?! Não se esperam coisas destas de empresas que têm como "estandarte" a responsabilidade social...

Kalla%20fakta%201%20-%20About%20Hennes%20&%20Mauritz%20(English%20subtitle)


quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Gorilas, torradas e creme de mãos


Update:

Com muita pena minha, os meus paizinhos já voltaram a Portugal. 

Já comi praticamente todas as gordices que me trouxeram – excepto o Kit Kat com sabor a menta, o saquinho de chiclets Gorila e o pão de torrada. 


Acho que as chiclets Gorila estão a fazer um comeback. Não me lembro de haver sacos delas à venda nos supermercados, mas a verdade é que a minha mana mais velha desencantou um para mim e agora tenho uma senhora reserva de chiclets Gorila que me vai chegar até à idade da reforma. Obrigada mana.



Fonte aqui

Também o pão de torrada tem sido uma grande fonte de alegria todas as manhãs. 

E agora as minhas energias andam concentradas noutras coisas importantes, como a busca do creme de mãos perfeito para o frio do Inverno. Alguém tem dicas?.