sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Pôr a conversa em dia


Ainda estou viva, gente. Estou de volta à Suécia, mudei de casa, tenho passado os meus dias na escola a beber café, a ter conversas filosóficas com as minhas colegas de curso e a desenferrujar o meu sueco. Nada de novo, talvez, se não tivessem acontecido tantas coisas a nível pessoal nos últimos meses. Às vezes arrependo-me de o meu blog não ser anónimo. Os meus blogs preferidos (ou pelo menos aqueles que mais tempo passo a ler) costumam ser aqueles em que sinto que estou a ler o diário de alguém, em que acompanho raciocínios, planos, desabafos e todo o tipo de coisas que apenas as pessoas que não se auto-censuram podem escrever. E como é óbvio gostava que o meu blog reflectisse esse meu gosto. Mas o meu blog não é anónimo e, já agora, o facto de praticamente todas as semanas chegarem cá leitores que encontram o meu blog ao fazerem pesquisa no Google pelo meu nome nunca deixa de me fazer um bocadinho de impressão. Trabalhei dois anos numa comunidade de jogos online e durante esse tempo aprendi duas coisas que até hoje me marcam: a) a importância de manter um certo nível de privacidade na internet; b) o baixo nível a que as pessoas conseguem chegar na internet. A isso se junta o facto de ser uma pessoa algo reservada por natureza e de ter por hábito partilhar certas coisas apenas com as pessoas mais próximas... e às vezes nem isso. E por isso não, não vou poder partilhar a grande maioria das "novidades" aqui, pelo menos por enquanto.

Mas ainda assim queria escrever umas linhas e pôr a conversa em dia. Arejar o blog. Prometer-vos que em breve visito os vossos cantinhos. Contar-vos que resolvi ser sovina e comprar este rímel por o ter encontrado em promoção e que vos aconselho a fugir dele como quem foge da Peste Negra. Que no domingo houve eleições aqui no reino e que o partido racista já é o terceiro maior partido da Suécia, com cerca de 13% dos votos (ainda não decidi se faço as malas ou se compro apenas uma peruca loura). Que o governo sueco decidiu começar a testar se a redução do horário laboral diário de 8 para 6 horas traz resultados positivos - a experiência está a ser realizada na cidade de Gotemburgo. Que ando viciada nesta música. E nestaE nesta. E nestaE nesta. E nesta. Que as manhãs estão frias, com 8 graus e nevoeiro, mas durante o dia fica um sol lindo. Que todos os dias me surpreendo com os suecos que me rodeiam e das coisas que escondem debaixo daquela capa de indiferença. Que quando estive em Portugal tive saudades de ter acesso praticamente ilimitado a tarte de maçã com molho de baunilha. Que agora estou aqui e tenho saudades do cheiro do mar. Que a minha casa nova é praticamente no meio da floresta. Que a vida continua por cá e que todos os dias aprendo coisas sobre mim mesma, sobre as pessoas que me rodeiam e, é claro, sobre os rímeis a evitar nesta vida e possivelmente nas próximas também. E dizer que apesar da ausência gosto muito disto por cá. Mas isso vocês já sabiam, não é?

segunda-feira, 1 de setembro de 2014