segunda-feira, 17 de setembro de 2018

E a gravidez, como está a correr?


Por enquanto tem sido uma gravidez tranquila. Tive muitos poucos enjôos, e os que tive (por norma ao final da tarde e não matinais!) cessaram por completo por volta das 13 semanas. Pelo contrário, desde que engravidei que tenho um apetite enorme, nas primeiras semanas quase insaciável! Também tive muita sede nas primeiras semanas, mas agora voltei ao normal. 

Até agora só tive um desejo (uma espécie de goma ácida chamada "flygande tefat") e uma aversão a comida: durante meses não consegui comer halloumi, que antes adorava. Por outro lado, se antes podia esperar mais de uma hora depois de acordar para tomar o pequeno-almoço, desde que engravidei que tenho de comer quase imediatamente. Também reduzi muito o consumo de café, o que não me custou nada, ao contrário do que pensava. Nas primeiras 12 semanas quase não bebi café e as vezes que bebi, era descafeínado. 

Como vos ia a dizer, uma gravidez tranquila. Excepto umas semanas durante o primeiro trimestre em que passei bastante mal com cansaço extremo devido a anemia, tensão baixa e devido à minha medicação da tiróide precisar de ser ajustada. Mas tudo foi ao sítio quando comecei a tomar ferro e quando ajustaram a medicação. A tensão continua baixa, o que segundo a minha parteira é bom sinal. 

Mas acima de tudo a gravidez tem sido diferente do que eu imaginava. Na Suécia não se revela a gravidez durante as primeiras 12 semanas, muitas vezes nem sequer às pessoas mais próximas. Depois das 12 semanas o risco de aborto espontâneo baixa bastante e muitos contam às pessoas mais próximas por volta dessa altura. Nós contámos aos meus pais logo no dia seguinte a eu ter feito o teste de gravidez. Eles estavam de visita, era o Dia da Mãe e eu expliquei ao Peter que simplesmente tinha de partilhar a notícia. Mas de resto adaptei-me ao costume Sueco. Pensei que ia custar manter o segredo, mas não. 

Também sempre imaginei a gravidez como o "estado de graça" que dizem que é. Imaginei que iria andar nas nuvens, que nada me iria perturbar. Acho que subestimei o impacto emocional da gravidez. No primeiro trimestre tinha tanto medo de fazer algo errado que não me atrevia a fazer nada. A dar uma corrida para apanhar o metro. Já no metro, detestava ter de respirar aquele ar pesado, com medo de fazer mal à bebé. Andava sempre no Google a fazer pesquisas variadas. Agora estou mais relaxada mas continuo a ter os meus stresses. Na Croácia não conseguíamos estar numa esplanada sem inalar montes de fumo, já que t-o-d-a a gente fuma. E eu seeeei que o ser humano é muito resistente e que sempre nasceram milhões de bebés em todos os tipos de condições (guerras etc.) mas há momentos em que o meu instinto maternal lhe dá com força. Na Croácia, cheguei a pensar para comigo mesma que queria interromper as férias e voltar para casa. Já para não falar das ecografias. Da carga de nervos que para mim é fazer ecografias. Das lágrimas de alívio quando me dizem que está tudo bem com a pequenina. Também não imaginei que iria DEMORAR até me cair a ficha e perceber que realmente tenho um bebé cá dentro! Disseram-me que iria dar a volta depois da primeira eco. Não. Nem na primeira (em Portugal), nem na segunda, nem na terceira. Foi preciso esperar até à semana 23. Mas a realidade lá veio como uma onda, e um belo dia depois do trabalho liguei ao Peter para o informar que simplesmente tinha que comprar o primeiro outfit da menina, para usar na maternidade. Aqui está:


P.S. Ninguém me avisou que até os braços engordam com a gravidez. 

11 comentários:

  1. Que coisa mais fofinha!
    Parabéns e como se costuma dizer "uma hora pequenina"!
    https://jusajublog.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Pois o stress e preocupações apenas começam agora... Eu era mais relaxada, andava de bicicleta para todo o lado e fiz tudo normal, incluindo aulas de pole dance, até aos 6 meses...
    Não dizer até às 12 semanas a toda a gente é normal, até em Portugal, porque o risco de aborto é relativamente grande mas aos próximos dizemos sempre né?!
    O fato é muito giro, compra mais :p compra luvas, calças com pezinhos são do melhor também... Ah e como me parece que vai ser bebé de inverno há uns sacos quentinhos que se põem no ovinho que são fantásticos e salvaram-nos a vida por serem super quentinhos e práticos....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós tínhamos gorros, ela odiava. Mas compra... ela acabava sempre por desatar a chorar e só parar sem o gorro na cabeça então acabámos por desistir mas como quando saíamos tínhamos aquele saco cama quentinho que cobria a cabeça nunca me preocupei...

      Eliminar
  3. Olha, adoro o fatinho! ^.^ mas como já disseram, cobre-lhe os pezinhos. Aí não sei, mas aqui faz sempre parte da lista da maternidade botinhas ou meias, q as extremidades deles arrefecem muito!

    Isso de não contar no 1º trimestre não é costume daí, aqui também se faz pelo mesmo motivo :) eu só contei aos meus pais quando fiz os 3 meses, mas eles já sabiam, ahah! É difícil esconder as coisas da mãe ;)

    Eu na primeira gravidez, talvez por ser mais novinha e descontraída, não me preocupava com nada. Nesta preocupo-me com tudo. Também porque entre as duas passei por um aborto entre as duas, o que me deixou mais apreensiva para uma próxima. Também sinto esse alívio nas ecos! :P

    Quanto à gravidez em si, minha amiga, nem posso começar a falar sobre isso, ahah! Detesto a experiência da gravidez. Passo por isso porque tem que ser para ter um bebé, porque, na verdade, não há parte nenhuma que goste, a não ser o sentir e ver o bebé, claro :)

    De resto... não sou imune à toxoplasmose, como tal, há coisas que não posso comer, outras que tenho que desinfectar; o aumento de peso; os pés inchados; o calor imenso!! Estou a um mês de ter a bebé e o último trimestre no verão é o terror autêntico. Tudo o que vem com a gravidez é desconfortável para mim. A falta de posição para dormir, a azia. Não poder estar de barriga para baixo para dormir, ler ou seja o que for. Já não conseguir estar de barriga para cima porque não respiro em condições. As dores nas costas e na bacia. A dificuldade em estender roupa e lavar a loiça, porque a barriguinha está no caminho. A quantidade absurda de enjoos que tive os primeiros 4 meses. Que horror, que nem conseguia comer. Por outro lado, agora, só me apetece comer!

    Bom... estou a um mês de ter a bebé e só quero que passe a correr para ela saltar cá para fora :P é a melhor parte! :)

    ResponderEliminar
  4. E que os pés podem aumentar de tamanho sabias?! Há muito boa moça que deu sapatos por causa disso. Felizmente não foi o meu caso.
    E compra gorros porque os bebés perdem imenso calor pela cabeça no início enquanto não aprendem a regular a sua temperatura.

    ResponderEliminar
  5. Tudo quanto é pequenino é lindo :) que fofura

    ResponderEliminar
  6. Opá gosto tanto de ler estes posts de gravidez como gosto de ler sobre o casamento (a fase onde me encontro). ADORO! Que tudo te corra bem.
    Beijinho querida :)

    ResponderEliminar
  7. Lindo! Muito querido mesmo. E parabéns. Um bebé é sempre uma coisa maravilhosa. Menina, é top! :) (eu tenho duas) Que corra tudo bem!

    ResponderEliminar
  8. Amei a raoupinha e feliz em saber que a gravidez está correndo bem, apesar da necessidade de alguns ajustes hormonais!

    ResponderEliminar
  9. Muito parabéns pela gravidez, que corra tudo bem!

    ResponderEliminar